Vacinação contra dengue pode evitar epidemia no próximo verão

?????????????????

Os paranaenses que vivem nos 30 municípios onde o governo do Estado está fazendo a primeira fase da campanha de vacinação contra a dengue e que estão nos grupos prioritários devem receber a vacina com urgência até este sábado (3), quando termina esta etapa. Os 30 municípios selecionados registraram as piores epidemias da doença nos últimos cinco anos.

“Se a população não for vacinada, corremos o risco de enfrentarmos uma séria epidemia a partir de dezembro e durante todo o verão, ainda pior do que a epidemia de 2015/2016. Quanto mais pessoas vacinadas, menor será a circulação viral da doença”, alerta o diretor geral da Secretaria da Saúde, Sezifredo Paz.

De agosto de 2015 a julho de 2016, aproximadamente 56 mil casos e 61 mortes por dengue foram registradas no Paraná. Os 30 municípios da campanha, juntos, concentraram 80% das ocorrências, além de 93% dos casos graves e 82% das mortes. “As estatísticas demonstram que era preciso fazer algo a mais para o controle da dengue no estado. Mas a população precisa aderir à campanha”, destaca Sezifredo.

Além das unidades de saúde, a campanha está sendo levada às escolas, universidades, igrejas, espaços comunitários, empresas, tiro de guerra, entre outros locais que concentram principalmente os jovens entre 15 e 27 anos, população alvo da campanha em 28 cidades paranaenses. Em alguns municípios. equipes volantes estão vacinando também em supermercados e locais de grande circulação de pessoas, como em Paranaguá, que deve atingir a população entre 9 e 44 anos.

O diretor ressalta que, apesar de todos os esforços do governo, grande parte da população que tem direito à vacina gratuita ainda não aderiu à campanha. “A vacina é uma estratégia a mais para evitar novas epidemias de dengue nesses municípios que concentram os casos da doença no Paraná, mas é necessário que a população seja imunizada antes do início da curva epidêmica”, afirma.

20 ANOS DE ESTUDO – A vacina que está sendo aplicada na população é a única aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no Brasil, até o momento. É produzida pela farmacêutica Sanofi Pasteur. Ao todo, a vacina tem três doses, que devem ser aplicadas com intervalo de seis meses cada. Após a primeira dose, já há proteção, mas é essencial que a população complete o esquema vacinal para assegurar o equilíbrio e a durabilidade da proteção.

De acordo com a superintendente de Vigilância em Saúde, Cleide Oliveira, a vacina é segura e protege contra os quatro tipos de vírus circulantes da dengue no País. “A vacina tem eficácia global de 66% e com a vacinação de uma parcela da população conseguimos reduzir a circulação viral e diminuir o impacto da doença em nosso estado. Hoje podemos finalmente dizer que a dengue entra no rol de doenças preveníveis”, afirmou.

Estudos epidemiológicos apontam que, em cinco anos, a vacinação em massa pode reduzir em até 74% o número de casos de dengue nas cidades contempladas. Estima-se ainda que a medida diminua em 80% o número de hospitalizações e em 93% o número de casos graves da doença.

Só na aquisição desta primeira dose, o Estado investiu cerca de R$ 50 milhões. Esta é a primeira campanha pública de vacinação contra a dengue das Américas. O primeiro local a fazer campanha de vacinação contra a dengue na rede pública foi as Filipinas, em fevereiro deste ano, com a imunização de crianças.

Fonte: http://maringa.odiario.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *