Resfriado ou gripe? Variações do vírus exigem proteção através de vacina

Resfriado ou gripe? Para muitos, não há diferença. Contudo, os sintomas causados por variações do vírus Influenza – como o H3N2 e o H1N1 – podem ser bastante graves se não tratadas, sobretudo em pessoas que fazem parte do grupo de risco.

Resfriado ou Gripe?

Resfriado ou Gripe?

“É fundamental que as pessoas se vacinem. Existe muita negligência em relação a isso, mas é o meio mais eficaz para a prevenção”, aponta o infectologista José Ivan Albuquerque. Segundo ele, estar imunizado não significa que não se terá mais gripe, mas os sintomas não serão tão fortes em quem foi protegido. “A vacina protege contra subtipos específicos do vírus, mas o Influenza é bastante mutável”, aponta.
 
Para Albuquerque, a confusão entre resfriado, alergias e gripe, que é feita por muita gente, dificulta a compreensão dos riscos que esta última oferece.  “Quando há complicações, pode haver problemas sérios”, comenta. Dois problemas provocados por gripes que podem agravar o quadro do paciente são a pneumonia e a insuficiência respiratória. “O paciente pode desenvolver um desses quadros se tiver algum tipo de problema de imunidade e não receber tratamento adequado”, explica. Diferentemente da gripe, os resfriados apresentam sintomas leves como coriza e congestão nasal, mas não há febre, dores no corpo e na cabeça, etc. “No caso das variações do Influenza, o mal-estar é mais forte, e o paciente precisa ser medicado para reduzir o ciclo viral”, argumenta. Segundo Albuquerque, o tratamento é feito com antivirais.
 
O especialista lembra que é preciso ter atenção para saber se a gripe não traz acometimento pulmonar, o que pode causar complicações ao evoluir para uma pneumonia bacteriana.
 
Não deixe para a última hora!
 
Visite a IC Vacinas e receba a sua vacina contra à gripe!
Tel.: (44) 3225.3738
atendimento@icvacinas.com.br
Rua Luiz Gama, 308 – Centro – Maringá – PR

Sem vacinas, há risco de epidemias no Brasil

Crescente nos Estados Unidos e em alguns países da Europa, a resistência de muitos pais à vacinação tem impacto direto no Brasil. O vai e vem de turistas coloca a população brasileira em contato com agentes transmissores de males como sarampo – já foram registrados surtos no Nordeste e Sudeste do país – e coqueluche, doenças erradicadas no Brasil há algumas décadas.

Vacina contra a Gripe

Dois em cada três americanos adultos recusam vacinas contra a gripe e a mesma proporção se abstêm de vacinar as adolescentes contra o vírus do papiloma humano (HPV), causador do câncer de colo de útero, segundo os Centros Federais de Controle e Prevenção de doenças. Além do temor de efeitos colaterais, há entre os norte-americanos a crença de que algumas vacinas provocam autismo.

“Há casos de brasileiros que viajam e, no retorno, geram epidemias”, observa o médico Renato Kfouri, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim).

Kfouri lembra que um dos maiores estragos foi provocado em 2007, quando os dois filhos de um casal de pediatras antroposóficos (abordagem complementar à medicina que integra as teorias e práticas da medicina moderna a tratamentos homeopáticos) foram diagnosticados com sarampo nos Estados Unidos. Durante o voo de volta a São Paulo outras crianças foram infectadas e a Vigilância Sanitária teve que monitorar demais passageiros.

“Foi uma decisão individual que demandou toda a sociedade e ainda gerou custo para o poder público”, avalia Kfouri.

O presidente da Sbim explica que a vacinação no Brasil é obrigatória, mas que não há qualquer punição prevista para quem não cumpre a determinação. Também não há uma política de barreira para garantir a entrada apenas de turistas devidamente imunizados no país.

“Mas a Justiça brasileira já entendeu, em alguns casos, que não vacinar os filhos caracteriza maus-tratos por parte dos pais”, pondera Renato Kfouri.

“Os médicos não sabem tudo”, diz a norte-americana Kathleen Wiederman, de 42 anos. Ela acredita que a natureza é suficiente para combater as doenças e prefere recorrer a tratamentos alternativos. Kathleen escolheu dar à luz em casa e resiste na hora de vacinar a filha de cinco anos. Só a insistência do marido a levou a aceitar que imunizassem a pequena contra a varíola e o sarampo, mas ela recusou a vacina contra poliomielite.

“Nos preocupamos com a população hesitante. Em geral, são pessoas com formação universitária e que pertencem à classe média alta”, revela Barry Blomm, professor de medicina na Universidade de Harvard. E o número “aumenta em todo lugar”, assegura.

Quase todos os Estados americanos admitem exceções à vacinação, por motivos religiosos ou pessoais. “Hoje em dia você pode deixar de se vacinar por razões filosóficas. É uma estupidez”, denuncia Anne Gershon, diretora do Departamento de Doenças Contagiosas Infantis da Universidade de Columbia. “É nocivo para muita gente”.

Campanha de proteção contra a gripe

A campanha de vacinação contra a gripe tem como meta imunizar 80% desse grupo. Mesmo quem se vacinou no ano passado deve repetir a dose.

“Qualquer indivíduo pode tomar a vacina, mas na rede pública a preferência é o chamado grupo de risco, como profissionais de saúde, crianças até cinco anos, idosos e portadores de doenças crônicas, como asma”, explica o presidente da Sociedade Brasileira de Imunização (Sbim), Renato Kfouri.

A vacina contra a gripe está disponível em todas as unidades básicas de saúde do estado. É gratuita e somente contraindicada para pessoas com histórico de reação anafilática prévia ou alergia severa relacionada a ovo de galinha e seus derivados, ou a qualquer componente da vacina. E também para pessoas que apresentaram reações anafiláticas graves a doses anteriores.

A vacinação pode reduzir em até 45% o número de hospitalização por pneumonia e em até 75% a mortalidade global. Na população idosa, o risco da evolução de uma gripe para pneumonia cai em cerca de 60%, e o risco global de hospitalização e morte pode ser reduzido em 50% e 68%, respectivamente, a partir da imunização regular.

Uma curiosidade: a maioria dos adultos saudáveis pode transmitir o vírus da gripe um dia antes de desenvolver os sintomas e até sete dias depois de ficar doente.

Vacina reduz em até 75% mortalidade por complicações da gripe

Vacina da gripe reduz em até 75% mortalidade por complicações da gripe

Pessoas portadoras de doenças crônicas, crianças de 6 meses e menores de 5 anos, gestantes, pessoas com 60 anos ou mais, mulheres até 45 dias após o parto, indígenas e profissionais de saúde não devem deixar de se vacinar contra a gripe. O alerta é feito pelo Ministério da Saúde.

Vacina contra gripe

Vacina contra gripe

Os grupos definidos como prioritários são justamente os mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias, de acordo com recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS).

A vacina contra a gripe é segura e reduz as complicações que podem produzir casos graves da doença, internações ou, até mesmo, óbitos. Estudos demonstram que a vacinação contribui para  redução de 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

A proteção é contra três subtipos do vírus da gripe: A/H1N1, A/H3N2 e Influenza B. Após a aplicação da vacina, o organismo demora de duas a três semanas para criar os anticorpos, por isso o ideal é se imunizar o mais rápido possível, uma vez que o período de maior circulação da gripe é entre final de maio e agosto.

A vacina é contraindicada apenas para pessoas com histórico de reação anafilática prévia em doses anteriores ou para pessoas quem tenham alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados.

A campanha de vacinação contra o vírus Influenza vai até dia 9 de maio. Por todo o Estado 6,3 mil postos de saúde, entre fixos e volantes, estão abertos das 8 horas às 17 horas. A meta é imunizar 9,2 milhões de paulistas, o que representa 80% do público-alvo. Na Baixada Santista, a estimativa é de que 505 mil pessoas sejam imunizadas.