Vacina contra hepatite viral: Transmissão pelo sexo, uso de drogas, tatuagens e piercings

“As pessoas expõem-se ao risco de transmissão de hepatites virais ao praticar sexo sem proteção, usar piercings e drogas de forma compartilhada e fazer tatuagens sem utilizar material descartável”. O alerta é do médico e coordenador do Programa de Controle das Hepatites Virais da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Fernando Barreiros.

 

Por isso, segundo o especialista, a orientação é sempre exigir material descartável em salões de beleza e na hora de fazer tatuagens e aplicar piercings. “Para evitar a hepatite B e C é necessário não compartilhar seringa, agulha e objetos cortantes com outras pessoas, incluindo a lâmina de barbear e depilar, a escova de dente e o alicate de unha. Nas relações sexuais, a recomendação é sempre usar o preservativo”, orienta Barreiros.

 

“Nas fases agudas das hepatites A e B algumas pessoas podem apresentar icterícia, que são pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras. Os sintomas da hepatite C são ainda mais silenciosos, como água na barriga e diminuição da musculatura das pernas”, explica Fernando Barreiros.

 

Vacina contra Hepatite

Vacina contra Hepatite

 

Ainda segundo o médico, a hepatite A está associada ao contexto de baixo acesso a água potável e saneamento básico. A do tipo B está ligada a transmissão sexual e é mais frequente. Já o vírus da hepatite C é passado por contato com sangue contaminado.
 
O tratamento da hepatite viral depende da evolução clínica da doença e do tipo de vírus, além do diagnóstico agudo ou crônico. Em Alagoas, as unidades de referência para o tratamento da hepatite B e C são o Hospital Escola Hélvio Auto (HEHA) e o Hospital Universitário (HU). Este tratamento é realizado com medicamentos que estão disponíveis gratuitamente na Diretoria Estadual de Assistência Farmacêutica (DAF).
 
Atualmente, existem vacinas para a prevenção das hepatites A e B. O Ministério da Saúde oferece vacina contra a hepatite B nos postos de saúde do SUS e contra a hepatite A nos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE). Não existe vacina contra a hepatite C.
 
A vacina contra a hepatite B está disponível em toda rede de saúde para a faixa etária de 0 até 49 anos. A imunização só é efetiva quando se toma as três doses, com intervalo de um mês entre a primeira e a segunda dose e de seis meses entre a primeira e a terceira dose.
 
A vacina contra a hepatite é destinada para populações vulneráveis (independente de sua idade), como: população indígena, gestantes, profissionais de saúde, bombeiros, policiais, carcereiros, coletador de lixo, doadores de sangue, população reclusa, além de gays, lésbicas, travestis e transexuais, profissionais do sexo, usuários de drogas, portadores de DST, profissionais de salão de beleza e tatuadores.