Vacina também é assunto de adulto

Faz tempo que você não tira a caderneta de vacinasda gaveta? Cuidado, você pode transmitir doenças aos seus filhos. Deixe suas vacinas atualizadas!

 
Você sabia que atualizar a sua caderneta de vacinação é tão importante quanto deixar a do seu filho em dia? Um levantamento da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, 61% dos adultos não se lembram da última vez que foram vacinados contra a coqueluche, o que significa que eles mesmo sem querer podem expor bebês vulneráveis à doença.
 
Vacinas para Adultos em Maringá
 
Isso porque os sintomas de uma doença como a coqueluche são quase imperceptíveis em nós, adultos, mas no organismo frágil dos pequenos podem ser bem mais intensos, como conta o infectologista Jean Gorinctieyn, do Hospital Emilío Ribas (SP): “Um adulto que não recebeu o reforço de uma vacina pode desenvolver um quadro pequeno de coqueluche, com tosse e febre fraca. Mas, quando ele leva isso para locais de convívio social, como shoppings ou transporte público, pode contaminar crianças que ainda não receberam todas as doses da vacina”. Isso também pode acontecer com outras doenças, como sarampo e até mesmo uma gripe.
 
Sem medo
Vamos fazer um teste: qual foi a última vez que você foi vacinado? Se já faz tanto tempo que você nem consegue se lembrar direito, pode estar na hora de abrir a gaveta e conferir se são necessárias doses de manutenção.
 
Tipos para adultos
A recomendação do Ministério da Saúde é que os adultos tenham os quatro tipos de vacina abaixo atualizados na caderneta (todas disponíveis gratuitamente nas Unidades Básicas de Saúde):
 
Hepatite B: esquema básico de três doses que devem ser tomadas dos 20 aos 49 anos;
Difteria e tétano (dupla): são três doses básicas na infância e um reforço a cada 10 anos. Se você perdeu a carteira de vacinação e não se lembra de ter tomado as doses anteriores, recomece;
Sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral): são duas doses até os 20 anos de idade e uma dose no período dos 21 aos 49 anos. Não há necessidade de reforço;
Febre amarela: uma dose a casa 10 anos somente para quem mora em áreas endêmicas, como Amazonas, Maranhão e Mato Grosso (clique aqui para ver o Mapa do Ministério da Saúde). Se você vai viajar para estes locais, também precisa se imunizar.
 
Branco recomenda ainda que os adultos tomem a vacina da gripe (influenza) anualmente e a contra HPV.
 
Anote a dica
Quando o Brasil começou as campanhas de vacinação em massa, na década de 60, criou-se a cultura de pensar que imunização é só nesse período. Porém, os cuidados com a saúde precisam ser constantes. “Geralmente as pessoas se lembram das vacinas quando sofrem algum acidente, como, por exemplo, pisar em um prego enferrujado. O ideal é criar o hábito de olhar para a caderneta de vacinação, assim como marcar consultar de rotina com especialistas”, aconselha Branco. Se você é uma pessoa esquecida, use a tecnologia ao seu favor, com lembretes de e-mail ou celular. Só não vale deixar de se cuidar, combinado?
 
Ligue agora para a IC Vacinas  de Maringá Tel.: (44) 3225.3738 ou envie suas dúvidas para atendimento@icvacinas.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *