Brasil enviará 2, 5 milhões de doses de vacina para a África

O Brasil fechou um acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) para abastecer uma campanha inédita de vacinação contra a febre amarela na África. O governo brasileiro enviará 2,5 milhões de doses que farão parte de um plano internacional para frear o surto da doença a partir de julho. A agência de saúde da Organização das Nações Unidas (ONU) também apontou que o governo brasileiro indicou que poderia até mesmo ampliar a oferta, com um total de 5 milhões de doses em um segundo momento.

A partir do final deste mês, a OMS iniciará um plano para vacinar 15 milhões de pessoas na República Democrática do Congo e em Angola. Para isso, a entidade lançou um apelo para coletar doações de governos no valor de US$ 20 milhões e, assim, completar os recursos avaliados em US$ 14 milhões já existentes nos cofres da entidade.

Desde o início do ano, 14 milhões de pessoas já foram vacinadas e, até o final de 2016, a meta é de chegar a 30 milhões de pessoas. “Isso é sem precedentes”, disse Bruce Aylward, diretor da OMS para Epidemias.

Em dezembro, a OMS registrou os primeiros casos de febre amarela em Luanda, o que deixou a entidade alarmada diante do risco de uma proliferação em centros urbanos de uma doença que estava concentrada apenas em áreas rurais. Nas avaliações internas da entidade, o risco era de que o número de pessoas contaminadas poderia ser sem precedentes e em uma das regiões mais pobres do mundo.

Desde então, 3,5 mil casos foram registrados no país, com cerca de 300 mortes. Nos últimos três meses, o Congo já somou 1,3 mil casos de febre amarela, com 75 mortes. Segundo os dados da OMS, o número de caso caiu nas últimas semanas diante da chegada do inverno no Hemisfério Sul.

Mas, para Aylward, se o surto não for congelado imediatamente, existe um forte risco de que ganhe outros países africanos. “Se não fizermos essa ampla campanha de vacinação, o risco é de que tenhamos uma explosão no número de casos a partir de setembro e em certos urbanos”, alertou.

Diante da emergência do caso, a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, pediu ao Brasil para que avaliasse a capacidade de abastecer os estoques internacionais, já que são apenas quatro o número de empresas que produzem a vacina.

“A resposta foi positiva e estamos muito impressionados com a postura do Brasil”, disse Aylward. “Em casos de surtos mundiais, os países normalmente fecham seus estoques para se proteger e garantir o abastecimento a sua população. Mas o Brasil decidiu ampliar sua produção e é exatamente isso que outros países devem fazer.”

Segundo ele, parte do envio brasileiro será uma doação e parte será comprada. “Estamos negociando isso neste momento”, indicou.

Em sua avaliação, a dose da vacina brasileira é “especialmente valiosa” por ser capaz de ser fracionada em duas e, ainda assim, atender à exigência de imunização. Por causa da falta de produtos no mercado, a OMS vai dar apenas metade de uma dose em determinadas regiões, na esperança de atingir o máximo número de pessoas possível até o fim de agosto.

Fonte: http://istoe.com.br/

Hepatite viral: motivo de preocupação nos dias atuais?

hepatite viral

Uma das revistas médicas mais conceituadas do mundo, “The Lancet”, acaba de publicar um estudo mostrando que as hepatites virais, em todas as regiões do mundo, estão entre as principais causas de óbito, comprometimento, sequelas na saúde e diminuição de anos de vida útil das pessoas. Para se ter uma ideia da importância e gravidade do tema, as hepatites matam hoje mais pessoas do que a tuberculose, HIV e malária, individualmente.

Os pesquisadores apontaram que, entre os anos de 1990 e 2013, houve um aumento de aproximadamente 63% no número de óbitos por hepatites virais no mundo. Levando-se em consideração que, neste mesmo período, observamos um decréscimo nas taxas de mortalidade por outras doenças infectocontagiosas, que passaram a ser mais controladas, pode-se estimar a magnitude e as implicações urgentes desta informação para a saúde pública.

Em números absolutos, isto significa, por exemplo, que no ano de 2013 as hepatites virais foram responsáveis por 1,45 milhão de mortes no mundo.

Quem são, afinal de contas, estas “hepatites virais”? Há tratamento? Há vacinas disponíveis? Como evitar? Vamos entender.

A hepatite viral, como o próprio nome diz, é uma infecção que acomete o fígado. Pode ser causada por 5 tipos de vírus, nomeados por letras: A, B, C, D e E. Cada um destes vírus tem suas características diferentes e suas formas de contagio e evolução específicas.

O vírus da hepatite A (HAV) é em geral transmitido por água ou por alimentos contaminados com as fezes de um portador humano. Diz-se, portanto, que a transmissão é fecal-oral. Por isso, está relacionada às más condições de higiene e/ou de saneamento básico. É a mais conhecida das hepatites. Não há tratamento específico, mas a evolução em geral é boa e a recuperação é completa. Raros casos ( 0,1%) evoluem para uma hepatite fulminante. Existe vacina, que já pode ser dada em crianças acima de 1 ano de idade, e é bastante eficaz.

O HBV, ou vírus da hepatite B é em geral transmitido por sangue, secreções ou contato sexual. Dentre as pessoas acometidas, 90-95% se curam. As outras 5-10% podem permanecer com o vírus por mais de 6 meses, evoluindo para a forma crônica da doença. Estes, por sua vez, tem maior propensão a desenvolver cirrose hepática ou carcinoma hepatocelular. Não há tratamento específico. Existe vacina, cuja primeira dose é normalmente administrada na maternidade, nos primeiros dias de vida do bebê. Adolescentes ou adultos não vacinados também a podem receber.

O HCV, vírus C da hepatite, pode também ser transmitido por relações sexuais desprotegidas ou por procedimentos que envolvem sangue, sem os devidos e fundamentais cuidados de esterilização, tais como: uso de drogas injetáveis, acupuntura, colocação de piercings ou tatuagens, em precárias condições de higiene ou até mesmo por instrumentos de manicures ou barbeiros que não foram devidamente esterilizados. O problema da hepatite C é que ela pode ser totalmente assintomática nas fases iniciais. Muitos ficam sabendo que a possuem por exames laboratoriais. Mais importante ainda, é que apenas 20% dos acometidos se curam. Os 80% restantes em geral evoluem para quadros crônicos. Destes, tal como ocorre na hepatite B, uma parcela pode evoluir para cirrose ou para o carcinoma de fígado. Não há vacina específica para o HCV.

O HDV, ou vírus Delta da hepatite D tem uma característica peculiar: precisa do vírus B para contaminar alguém. Sua forma de transmissão, portanto é semelhante à do vírus B. O vírus delta pode ser adquirido junto com o vírus B, dando uma infecção simultânea, ou pode contaminar um indivíduo que já seja portador do vírus B. O HDV pode também cronificar e levar à cirrose e insuficiência hepática ou ao câncer de fígado. Não há vacina, mas como este vírus precisa do vírus B para infectar, estar vacinado contra o HBV é uma excelente forma de proteção.

O HEV, ou vírus da hepatite E, tem características semelhantes ao HAV. A transmissão se dá por via fecal-oral e não há indicação de evolução para a forma crônica. Não há vacina específica.

Nunca é demais lembrar que higienizar os alimentos, lavar as mãos após ir ao banheiro, nunca utilizar ou injetar no próprio corpo quaisquer produtos sem todas as condições plenas de esterilização e usar sempre camisinha são os métodos mais eficazes para nos garantir saúde e, principalmente, qualidade em todos os anos de nossas vidas.

Fonte: http://g1.globo.com/

Circulação do vírus entre jovens é uma das causas do aumento de caxumba

sintomas-de-caxumba-shutterstock

O número de surtos de caxumba no Brasil tem aumentado de forma significativa nos últimos anos, batendo recordes anuais em diversos municípios brasileiros, mesmo com a vacina para a doença disponível na rede pública de saúde. Segundo o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, Renato Kfouri, há no país uma geração de jovens adultos que não recebeu as duas doses da vacina contra a caxumba e está mais propensa a ter a doença.

“Há vários anos o Brasil acumula uma parte da população não foi vacinada e isso propicia a circulação do vírus. Ainda não passaram por campanhas nacionais de vacinação para adultos da tríplice viral e nasceram antes de a vacina ser incorporada ao calendário nacional de vacinação na primeira infância.”

Além da maior quantidade de casos, o perfil dos contaminados também mudou. Nos últimos anos observou-se deslocamento da faixa etária da caxumba – que era mais comum em crianças pequenas – para crianças acima de dez anos, adolescentes e adultos jovens. Nesses casos, a doença pode ser mais severa e levar à encefalite e meningite. Segundo o especialista, é preciso ter atenção às possíveis complicações da doença, mas não há motivo para alarde.

A vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba, entrou para o calendário básico de vacinação, a crianças de 1 ano de idade, em 1996. Uma segunda dose era aplicada em campanhas posteriores. A segunda dose da vacina passou a integrar o calendário básico aos 4 anos a 6 anos de idade em 2006. Desde 2013, o Ministério da Saúde recomenda uma dose da vacina tríplice viral ao atingir 1 ano de idade e uma dose da vacina quádrupla viral ao chegar ao 1 ano e três meses de idade.

De acordo com nota técnica do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, a eficácia da vacina contra a caxumba é a menor da tríplice viral. Enquanto no sarampo e na rubéola duas doses dão 95% de proteção, a melhor estimativa da eficácia da vacina para caxumba em crianças e adolescentes é de 64% a 66% para uma dose e de 83% a 88% para duas doses.

O ministério da Saúde afirma que a vacina é o melhor remédio. Renato Kfouri concorda e defende que é preciso levar em conta que, mesmo entre os que estão com a vacinação em dia, existe essa porcentagem que pode adoecer, que é a “falha vacinal”, mas afirma que a caxumba é “bem mais controlada” entre a geração vacinada. A dica do médico é manter a vacinação em dia, seja criança adolescente ou adulto.

“É importante ressaltar que a caxumba é uma doença considerada benigna com uma taxa de complicações muito baixa e quase nunca fatal”, informou em nota o ministério da Saúde. Na ausência de imunização, 85% dos adultos poderão ter a doença, sendo que um terço dos infectados não apresentará sintomas.

Surtos no país

O surto de caxumba na escola do filho de 14 anos, em Brasília, levou a doença para dentro da casa de Camila Rocha. Nove adolescentes da turma do estudante adoeceram, entre eles, o Murilo, que tinha as duas doses recomendadas da vacina. “Ele teve muita febre, ficou com o pescoço bastante inchado e muita dor no corpo”, contou Camila, aliviada porque o filho está melhor e já voltou às aulas após 14 dias em casa.

Quando Murilo adoeceu, Camila e o marido, Luiz Roberto Pedrosa, se deram conta de que não eram vacinados contra a caxumba, e ficaram esperando os sintomas, sem saber se também ficariam doente. “Estamos sem contato com a nossa família para evitar transmitir a doença. Desde o dia 31 de março eu não vejo a minha mãe e a minha avó. Desde que o Murilo adoeceu, eu e meu marido ficamos ansiosos sem saber se íamos pegar e realmente todos pegamos.”

Os sintomas de Camila apareceram no último domingo. Ontem, Luiz Roberto Pedrosa também apresentou os primeiros sintomas. Camila ficou com o pescoço inchado e teve muita dor no corpo, “como uma gripe”, disse. “Mas a partir do terceiro dia já começa a melhorar”.
A família de Camila é uma das milhares que estão adoecendo em surtos de caxumba cada vez mais frequentes. No ano passado, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal contabilizou os surtos a partir do segundo semestre, e notificou 130 casos da doença de julho a dezembro. Este ano, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica registrou 11 surtos de caxumba em residências, escolas e em complexos penitenciários. No total, 525 pessoas tiveram a doença.

Em 2016, 142 detentos e funcionários de presídios da capital federal apresentaram sintomas da doença no Centro de Progressão Penitenciária (CPP), no Centro de Detenção Provisória (CDP) e no Centro de Internação e Reeducação (CIR).

A Secretaria de Saúde informou que, apesar do grande número de casos, não haverá campanha para vacinação e que a vacina está disponível ao longo de todo o ano em todos os centros de saúde.

Não há números nacionais sobre os surtos de caxumba. A notificação dos casos individuais da doença não é obrigatória no Brasil e costuma ser feita apenas em situação de surtos em domicílios, escolas, ambientes de trabalho, quando a vigilância epidemiológica local deve ser informada. Mesmo assim, os números são considerados subestimados. Por meio de nota, o Ministério da Saúde explicou que estados e municípios têm autonomia para registrar os casos da doença e consolidar os dados sobre a caxumba.

Em Porto Alegre, foram notificados nove surtos de caxumba nos primeiros quatro meses do ano, número três vezes maior que o do mesmo período do ano anterior, de acordo com a Secretaria Municipal da Saúde. Outras cidades gaúchas registraram aumento de casos da doença, como Pelotas e Rio Grande. Desde março, também vem sendo registrado aumento de casos em Florianópolis. Em Curitiba, foram confirmados 342 casos de caxumba nos quatro primeiros meses de 2016.

Na cidade de São Paulo, o número de casos em 2016 já supera os registrados em 2015. A Secretaria Municipal de Saúde registrou 346 casos até o dia 14 de maio. No mesmo período do ano passado, foram registrados 68 casos. Campinas e Judiaí também registraram grande aumento de surtos.

A notificação da doença é compulsória em Minas Gerais desde 2001. Em 2015, o estado registrou 3.502 casos da doença. Até o fim de abril desse ano, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas registrou 435 casos de caxumba e dois surtos nas regiões Sudeste e Sul do estado.

A Região Nordeste também registrou casos da doença, na Bahia, em Pernambuco e no Piauí. Em Olinda houve um surto de caxumba em uma escola em abril e maio deste ano. No total, 12 pessoas ficaram doentes. Em 2015, a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco não havia registrado nenhum caso da doença.

Vacinação

O Ministério da Saúde oferece duas vacinas contra a doença no calendário nacional de vacinação, a tríplice viral e a tetra viral, que inclui proteção contra varicela. A distribuição dessas vacinas aos estados é realizada mensalmente.

De acordo com o ministério, em abril deste ano foi autorizado para todo o país o envio de 101 mil doses da tetra viral e de 1 milhão de doses da tríplice viral. Na rede pública de saúde, a vacina tríplice viral, aplicada ao 1 ano de vida, e a vacina tetra viral, aplicada ao 1 ano e três meses de vida, protegem contra a doença.

Para crianças e adolescentes de até 19 anos são ministradas duas doses. Para pessoas entre 20 e 49 anos recomenda-se apenas uma dose da vacina tríplice viral.

A doença

A caxumba é uma doença viral aguda causada pelo vírus Paramyxovirus. A transmissão ocorre por meio do contato com a saliva de pessoas infectadas e a maior ocorrência da doença é no inverno e na primavera, período de temperaturas mais baixas. A incubação da doença varia de 12 a 25 dias e o período de transmissão dura de 16 a 18 dias.

Em casos de notificação de surto da doença, os pacientes devem ficar isolados e deve ser avaliada a caderneta de vacinação de todos que tiveram contato com os pacientes.

A principal e mais comum manifestação desta doença é o aumento das glândulas salivares, principalmente a parótida, acompanhada de febre. Em menores de cinco anos de idade são comuns sintomas das vias respiratórias e perda neurosensorial da audição. A caxumba também pode ocasionar aborto espontâneo no primeiro trimestre da gestação.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/

Casos de câncer associados ao HPV estão em ascensão nos EUA

injecao1

O número de casos de câncer associados ao vírus do papiloma humano (HPV) está em ascensão nos Estados Unidos, atingindo cerca de 39 mil pessoas a cada ano, revelou um relatório das autoridades sanitárias americanas nesta quinta-feira (7).

A estimativa, feita pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), abrangeu o período de 2008 a 2012 e mostrou um aumento em relação aos pouco mais de 33 mil casos anuais observados entre 2004 e 2008.

Cânceres relacionados ao HPV costumam aparecer nas regiões genitais de homens e mulheres, assim como na cabeça, no pescoço e na garganta.

Os cânceres descritos no relatório incluem cerca de 11,7 mil casos de câncer de colo de útero em mulheres e mais de 12,6 mil casos de câncer bucal entre os homens.

Nos Estados Unidos, as vacinas para prevenir o HPV, que é uma infecção transmitida sexualmente, estão disponíveis para meninos e meninas a partir dos 11 anos de idade.

No entanto, muitos adolescentes americanos não recebem a vacina, que deve ser tomada em três doses.

Em 2014, no grupo das meninas de entre 13 e 17, 60% tinham recebido uma dose, e 40% tinham tomado as três doses, segundo o relatório.

Entre os meninos, a taxa de vacinação foi ainda mais baixa, com 42% tendo recebido uma dose, e 22% as três doses.

No Brasil, a vacina é oferecida de modo permanente na rede pública para meninas de entre 9 a 13 anos, e deve ser tomada em duas doses.

“Os cientistas do CDC ressaltam que 28,5 mil casos de câncer causados pelo HPV poderiam ser evitados com a vacina contra o vírus”, informou a agência federal americana.

O relatório ressalta, ainda, a importância do exame preventivo do câncer do colo do útero (teste Papanicolau) para detectar lesões antes que elas se transformem em câncer.

Fonte: http://g1.globo.com/

Butantã inicia teste de vacina da dengue com 1,2 mil voluntários

testo-Aspectos-operacionais-na-Sala-de-Vacinas

O Instituto Butantã iniciou na última quinta-feira os testes da vacina contra dengue. Os primeiros voluntários são de São José do Rio Preto, interior de São Paulo. As 1 200 pessoas selecionadas devem receber a vacina na Unidade Básica de Saúde (UBS) da Vila Toninho. Elas serão acompanhadas durante cinco anos. Na próxima semana, os testes serão iniciados em centros de pesquisas de Manaus (AM) e Boa Vista (RR). A cidade escolhida para os testes com a vacina no Estado de São Paulo tem altos índices de casos da doença. Rio Preto registrou 22 mil ocorrências de dengue em 2015 e, de janeiro a maio deste ano, outros 11.395, além de 4.284 em investigação. Doze pessoas morreram. Os efeitos da vacina nos pacientes serão avaliados por pesquisadores da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), com a colaboração da Secretaria Municipal de Saúde.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) esteve na cidade para acompanhar a iniciativa. Na solenidade, referiu-se ao início dos testes como um dia histórico. “Não temos no mundo uma vacina com grau de proteção elevado contra os quatro tipos de vírus. O Instituto Butantã já fez o teste pré-clínico e das fases um e dois e agora estamos na última fase”, disse.

Os testes em humanos são a última fase da pesquisa antes da aprovação da vacina para produção em larga escala visando a atender campanhas de imunização em massa na rede pública de saúde. Ao todo, serão mobilizados 17 mil voluntários em 14 centros de pesquisas de 13 municípios brasileiros. Os ensaios clínicos desta fase foram iniciados em fevereiro deste ano pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, em São Paulo.

Os voluntários, que nunca tiveram a doença, estão divididos em três faixas etárias: 2 a 6 anos, 7 a 17 e 18 a 59. Os participantes serão acompanhados pela equipe médica por um período de cinco anos para verificar a duração da proteção. Os testes também serão realizados em Porto Velho (RO), Aracaju (SE), Recife (PE), Fortaleza (CE), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Campo Grande (MS), Belo Horizonte (MG) e Porto Alegre (RS).

Vacina – A vacina do Butantã foi desenvolvida em parceria com o National Institutes of Health (EUA) e tem potencial para proteger contra os quatro vírus da dengue com uma única dose, produzida com vírus vivos, geneticamente atenuados. Nesta etapa da pesquisa, os estudos visam a comprovar a eficácia da vacina. Do total de voluntários, um terço receberá placebo, uma substância com as mesmas características, mas sem o vírus. Nem a equipe médica, nem os voluntários saberão quem recebeu o placebo. O objetivo é a garantir a total isenção dos testes.

Nas etapas anteriores, a vacina foi testada em 900 pessoas, nos Estados Unidos e em São Paulo. O Butantã tem uma fábrica com capacidade para produzir 500 000 doses por ano, mas que pode ser ampliada para produção de até 12 milhões de doses por ano com algumas adaptações. O Instituto tem projeto para construir uma fábrica de larga escala, com capacidade de 60 milhões de doses ao ano.

Custo – O Brasil já tem uma vacina contra a dengue registrada na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas seu uso ainda depende da definição do preço pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed), órgão interministerial do governo federal. A vacina da Sanofi Pasteur protege contra os quatro sorotipos da doença, mas exige três aplicações. A empresa francesa anunciou que o Ministério de Saúde da Costa Rica aprovou a vacina, também registrada no México, El Salvador e Filipinas.

Fonte: http://veja.abril.com.br/

“O governo precisa parar bagunca e trabalhar”, diz pesquisador de vacina antizika

ICB-Zika-brasileiro-mata-células-celebrais-125-16-06-05-2016-Foto-Marcos-Santos-usp-Imagens-16

O vírus zika é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) uma emergência global em saúde pública pelos efeitos prejudiciais que sua infecção causa no sistema neurológico humano, como a microcefalia e a síndrome de Guillain-Barré. O desenvolvimento de uma vacina segura e eficaz para conter a disseminação do vírus é uma prioridade para os pesquisadores e tem sido incentivado por órgãos de saúde de todo o mundo. No Brasil, três grupos trabalham no desenvolvimento de uma vacina, em parceria com instituições americanas: o Instituto Evandro Chagas, no Pará, o Instituto Butantan, em São Paulo, e o Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP).

Nesta semana, o ICB-USP, junto à Universidade Harvard, nos Estados Unidos, apresentou os primeiros resultados do teste de uma vacina contra o zika em animais. Por enquanto, é o mais longe aonde já se chegou. O estudo, publicado na revista científica Nature, na terça-feira (28), é animador. Os camundongos que receberam dois tipos de vacina, uma feita com vírus morto e a outra produzida com proteínas de superfície do vírus, foram imunizados. Agora, a equipe, que inclui o virologista brasileiro Paolo Zanotto, enfrenta os desafios das próximas etapas: testes em primatas e, depois, em seres humanos. Ele diz que parte importante do desenvolvimento da pesquisa no Brasil depende do governo federal. “O governo federal precisa se organizar, parar a bagunça e começar a trabalhar”, diz Zanotto. “Os pesquisadores brasileiros estão trabalhando o tempo todo para resolver uma crise de saúde e precisamos de apoio.” Leia a entrevista completa a seguir.

ÉPOCA – Os resultados em camundongos despertam otimismo em relação ao grau de proteção que a vacina vai produzir em humanos?
Paolo Zanotto – Esses resultados são importantíssimos. Estou extremamente contente. Isso mostra o potencial dessa tecnologia. Agora, estamos esperando pelos resultados em primatas. Esta próxima fase de testes será feita nos Estados Unidos, porque eles têm condições de arcar com os custos elevadíssimos de criar esse tipo de animal para pesquisa. Para os vírus que sofrem mutações muito rápido é difícil haver uma vacina porque sempre vai ter uma variante contra a qual a vacina não protege. No caso da dengue, uma vacina é mais complexa porque são quatro sorotipos e a imunização deve ser contra todos eles. No caso do zika, existe um fator que talvez facilite nossa vida. As variantes são limitadas em relação à diversidade genética. É muito provável que todas sejam controladas pela mesma vacina. Isso é algo extremamente encorajador. Temos uma boa chance de ter uma solução para esse problema no contexto vacinal e talvez mais rápido do que a gente imagine.

>> Como funciona a vacina contra o zika que começará a ser testada em novembro

ÉPOCA – Na última reunião da Organização Mundial de Saúde foi sugerido que os intervalos entre as fases de pesquisa sejam encurtados para acelerar a aprovação de uma vacina contra o zika em até três anos. Há agum risco em acelerar as fases de pesquisa?
Zanotto – O perigo é relativo. O perigo é não haver vacina e existir milhares de crianças nascendo com microcefalia. Com os ensaios pré-clínicos e clínicos, nos próximos dois ou três anos, dá para ter uma boa ideia se é possível surgir alguma reação adversa que a gente não consegue prever neste momento. Em uma situação de emergência, as primeiras vacinas desenvolvidas não serão necessariamente as melhores nem as que serão usadas para sempre. Mas podem significar um avanço enorme na proteção em uma situação em que pessoas estão expostas em locais de surto de uma doença.

>> Anticorpos contra dengue podem aumentar replicação do vírus zika

ÉPOCA – No Brasil, há outros dois grupos pesquisando uma vacina contra o zika. Existe uma competição?
Zanotto – Não é uma competição em que o vencedor leva tudo. Não é assim que funciona. É uma forma de interação em que todo mundo ganha. O que um grupo descobre é muito útil para os outros grupos que também estão desenvolvendo vacinas saber o que funciona e o que não funciona. É lógico que os cientistas têm a preocupação de fazer algo antes e publicar em uma revista científica conceituada. Mas em uma situação como esta, de crise mundial tão grande, o que importa é que as informações sejam obtidas. Isso é importantíssimo porque vai acelerar as pesquisas dos outros grupos. O desenvolvimento de vacinas tem de ser feito por vários grupos simultaneamente. Não se pode correr o risco de apostar somente em um grupo e, mais para a frente, o que esse grupo está fazendo não funcionar e voltarmos à estaca zero.

>> Em busca de vacina, cientistas americanos criam clone do vírus zika

ÉPOCA – Os três grupos brasileiros trabalham em parceria com instituições americanas. Seu grupo, da USP, com a Universidade Harvard, o Evandro Chagas, com a Universidade do Texas, e o Butantan, com o Barda, órgão do governo americano para pesquisa biomédica. É impossível para o Brasil desenvolver uma vacina sozinho?
Zanotto – As pesquisas estão avançando rápido e partes importantes desse trabalho estão sendo desenvolvidas por equipes brasileiras em nível global. O quanto disso será desenvolvido no Brasil vai depender das autoridades brasileiras. Elas precisam ter responsabilidade e entender que a pesquisa científica é importante. Os pesquisadores brasileiros já demonstraram que são sérios. O que a gente precisa ver agora é seriedade por parte do governo. O governo federal tem de se organizar, parar a bagunça e começar a trabalhar. Há uma demanda de investimentos para pesquisa em campos que são importantíssimos para a sociedade brasileira. Temos de ter vacinas para o zika. Temos de ter sistemas de controle para o chikungunya. E a vacina de dengue, que está em desenvolvimento, tem de ir em frente, não pode parar. Os pesquisadores brasileiros estão trabalhando o tempo todo para resolver uma crise de saúde e precisamos de apoio.

>> Pedidos de abortivos mais que dobraram no Brasil depois do zika, diz ONG

ÉPOCA – Informações de mercado sugerem que grandes empresas farmacêuticas, como Glaxo, a Merck & Co. e a Johnson & Johnson, não parecem estar com muita pressa para entrar na corrida por uma vacina contra o zika. Elas suspeitam que o negócio não será tão grande e rentável. Desenvolver vacinas para doenças que afetam mais países em desenvolvimento continua a ser uma tarefa apenas de governos?
Zanotto – Ainda é um momento de incerteza em relação ao zika. Não sabemos o tamanho da encrenca que ele pode causar, mas estamos percebendo que pode ser uma coisa bem grande. A indústria, de maneira geral, tem dificuldade de fazer uma estimativa de custo-benefício em um momento em que se tem pouca informação. Isso tende a dificultar decisões de investimento. Temos conversado com indústrias interessadas. Vários grupos estão avaliando o custo-benefício de fazer um investimento desse tipo. É a academia que está procurando essas respostas, levantando dados para entender o que o vírus faz, como ele faz, onde ele está. Vemos a universidade executando essa função mesmo em situações adversas, de falta de recursos.

Fonte: http://epoca.globo.com/

Instituto Butantan realiza última fase de testes da vacina da dengue

vacina04

Cerca de 2.500 novos voluntários vão participar da terceira e última fase de testes da vacina da dengue desenvolvida pelo Instituto Butantan.

Isso porque os ensaios clínicos tiveram início em mais duas cidades, agora da região Norte: Manaus e Boa Vista. Nesses municípios, os testes estão sendo conduzidos em parceria com a Universidade Federal de Roraima, a Fundação de Medicina Tropical e a Fiocruz Amazônia.

O diretor do Butantan, Jorge Kalil, explicou a expectativa dos trabalhos nas duas cidades.

Agora já são quatro instituições em quatro cidades à frente dos trabalhos. As outras duas cidades estão no estado de São Paulo: na capital paulista, estudos estão sendo conduzidos pela Santa Casa e pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; e em São José do Rio Preto, pela Famerp, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto.

Como explica Jorge Kalil, a estimativa é que a vacina possa estar disponível já no ano que vem após essa última etapa da pesquisa.

Os estudos vão envolver 17 mil participantes em 13 cidades nas cinco regiões do Brasil, com a participação de 14 centros de pesquisa credenciados pelo Instituto Butantan.

Do total de voluntários, dois terços receberão a vacina e um terço receberá placebo, uma substância sem efeito. O objetivo é descobrir, a partir de exames coletados dos voluntários, se quem tomou a vacina ficou protegido e se quem tomou o placebo contraiu a doença.

Os voluntários são acompanhados pela equipe médica por um período de cinco anos para verificar a duração da proteção oferecida pela vacina. A vacina tem potencial para proteger contra os quatro vírus da dengue, com uma única dose.

Fonte: http://radioagencianacional.ebc.com.br/

Circulação do vírus entre jovens é uma das causas do aumento de caxumba

caxumba-(1)

O número de surtos de caxumba no Brasil tem aumentado de forma significativa nos últimos anos, batendo recordes anuais em diversos municípios brasileiros, mesmo com a vacina para a doença disponível na rede pública de saúde. Segundo o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, Renato Kfouri, há no país uma geração de jovens adultos que não recebeu as duas doses da vacina contra a caxumba e está mais propensa a ter a doença.

“Há vários anos o Brasil acumula uma parte da população não foi vacinada e isso propicia a circulação do vírus. Ainda não passaram por campanhas nacionais de vacinação para adultos da tríplice viral e nasceram antes de a vacina ser incorporada ao calendário nacional de vacinação na primeira infância.”

Além da maior quantidade de casos, o perfil dos contaminados também mudou. Nos últimos anos observou-se deslocamento da faixa etária da caxumba – que era mais comum em crianças pequenas – para crianças acima de dez anos, adolescentes e adultos jovens. Nesses casos, a doença pode ser mais severa e levar à encefalite e meningite. Segundo o especialista, é preciso ter atenção às possíveis complicações da doença, mas não há motivo para alarde.

A vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba, entrou para o calendário básico de vacinação, a crianças de 1 ano de idade, em 1996. Uma segunda dose era aplicada em campanhas posteriores. A segunda dose da vacina passou a integrar o calendário básico aos 4 anos a 6 anos de idade em 2006. Desde 2013, o Ministério da Saúde recomenda uma dose da vacina tríplice viral ao atingir 1 ano de idade e uma dose da vacina quádrupla viral ao chegar ao 1 ano e três meses de idade.

De acordo com nota técnica do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, a eficácia da vacina contra a caxumba é a menor da tríplice viral. Enquanto no sarampo e na rubéola duas doses dão 95% de proteção, a melhor estimativa da eficácia da vacina para caxumba em crianças e adolescentes é de 64% a 66% para uma dose e de 83% a 88% para duas doses.

O ministério da Saúde afirma que a vacina é o melhor remédio. Renato Kfouri concorda e defende que é preciso levar em conta que, mesmo entre os que estão com a vacinação em dia, existe essa porcentagem que pode adoecer, que é a “falha vacinal”, mas afirma que a caxumba é “bem mais controlada” entre a geração vacinada. A dica do médico é manter a vacinação em dia, seja criança adolescente ou adulto.

“É importante ressaltar que a caxumba é uma doença considerada benigna com uma taxa de complicações muito baixa e quase nunca fatal”, informou em nota o ministério da Saúde. Na ausência de imunização, 85% dos adultos poderão ter a doença, sendo que um terço dos infectados não apresentará sintomas.

Surtos no país

O surto de caxumba na escola do filho de 14 anos, em Brasília, levou a doença para dentro da casa de Camila Rocha. Nove adolescentes da turma do estudante adoeceram, entre eles, o Murilo, que tinha as duas doses recomendadas da vacina. “Ele teve muita febre, ficou com o pescoço bastante inchado e muita dor no corpo”, contou Camila, aliviada porque o filho está melhor e já voltou às aulas após 14 dias em casa.

Quando Murilo adoeceu, Camila e o marido, Luiz Roberto Pedrosa, se deram conta de que não eram vacinados contra a caxumba, e ficaram esperando os sintomas, sem saber se também ficariam doente. “Estamos sem contato com a nossa família para evitar transmitir a doença. Desde o dia 31 de março eu não vejo a minha mãe e a minha avó. Desde que o Murilo adoeceu, eu e meu marido ficamos ansiosos sem saber se íamos pegar e realmente todos pegamos.”

Os sintomas de Camila apareceram no último domingo. Ontem, Luiz Roberto Pedrosa também apresentou os primeiros sintomas. Camila ficou com o pescoço inchado e teve muita dor no corpo, “como uma gripe”, disse. “Mas a partir do terceiro dia já começa a melhorar”.

A família de Camila é uma das milhares que estão adoecendo em surtos de caxumba cada vez mais frequentes. No ano passado, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal contabilizou os surtos a partir do segundo semestre, e notificou 130 casos da doença de julho a dezembro. Este ano, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica registrou 11 surtos de caxumba em residências, escolas e em complexos penitenciários. No total, 525 pessoas tiveram a doença.

Em 2016, 142 detentos e funcionários de presídios da capital federal apresentaram sintomas da doença no Centro de Progressão Penitenciária (CPP), no Centro de Detenção Provisória (CDP) e no Centro de Internação e Reeducação (CIR).

A Secretaria de Saúde informou que, apesar do grande número de casos, não haverá campanha para vacinação e que a vacina está disponível ao longo de todo o ano em todos os centros de saúde.

Não há números nacionais sobre os surtos de caxumba. A notificação dos casos individuais da doença não é obrigatória no Brasil e costuma ser feita apenas em situação de surtos em domicílios, escolas, ambientes de trabalho, quando a vigilância epidemiológica local deve ser informada. Mesmo assim, os números são considerados subestimados. Por meio de nota, o Ministério da Saúde explicou que estados e municípios têm autonomia para registrar os casos da doença e consolidar os dados sobre a caxumba.

Em Porto Alegre, foram notificados nove surtos de caxumba nos primeiros quatro meses do ano, número três vezes maior que o do mesmo período do ano anterior, de acordo com a Secretaria Municipal da Saúde. Outras cidades gaúchas registraram aumento de casos da doença, como Pelotas e Rio Grande. Desde março, também vem sendo registrado aumento de casos em Florianópolis. Em Curitiba, foram confirmados 342 casos de caxumba nos quatro primeiros meses de 2016.

Na cidade de São Paulo, o número de casos em 2016 já supera os registrados em 2015. A Secretaria Municipal de Saúde registrou 346 casos até o dia 14 de maio. No mesmo período do ano passado, foram registrados 68 casos. Campinas e Judiaí também registraram grande aumento de surtos.

A notificação da doença é compulsória em Minas Gerais desde 2001. Em 2015, o estado registrou 3.502 casos da doença. Até o fim de abril desse ano, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas registrou 435 casos de caxumba e dois surtos nas regiões Sudeste e Sul do estado.

A Região Nordeste também registrou casos da doença, na Bahia, em Pernambuco e no Piauí. Em Olinda houve um surto de caxumba em uma escola em abril e maio deste ano. No total, 12 pessoas ficaram doentes. Em 2015, a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco não havia registrado nenhum caso da doença.

Vacinação

O Ministério da Saúde oferece duas vacinas contra a doença no calendário nacional de vacinação, a tríplice viral e a tetra viral, que inclui proteção contra varicela. A distribuição dessas vacinas aos estados é realizada mensalmente.

De acordo com o ministério, em abril deste ano foi autorizado para todo o país o envio de 101 mil doses da tetra viral e de 1 milhão de doses da tríplice viral. Na rede pública de saúde, a vacina tríplice viral, aplicada ao 1 ano de vida, e a vacina tetra viral, aplicada ao 1 ano e três meses de vida, protegem contra a doença.

Para crianças e adolescentes de até 19 anos são ministradas duas doses. Para pessoas entre 20 e 49 anos recomenda-se apenas uma dose da vacina tríplice viral.

A doença

A caxumba é uma doença viral aguda causada pelo vírus Paramyxovirus. A transmissão ocorre por meio do contato com a saliva de pessoas infectadas e a maior ocorrência da doença é no inverno e na primavera, período de temperaturas mais baixas. A incubação da doença varia de 12 a 25 dias e o período de transmissão dura de 16 a 18 dias.

Em casos de notificação de surto da doença, os pacientes devem ficar isolados e deve ser avaliada a caderneta de vacinação de todos que tiveram contato com os pacientes.

A principal e mais comum manifestação desta doença é o aumento das glândulas salivares, principalmente a parótida, acompanhada de febre. Em menores de cinco anos de idade são comuns sintomas das vias respiratórias e perda neurosensorial da audição. A caxumba também pode ocasionar aborto espontâneo no primeiro trimestre da gestação.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/

Casos de caxumba explodem em SP; situação não é de alarme, diz médico

caxumba

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O número de casos de caxumba explodiu no Estado de São Paulo e, em menos de seis meses, a incidência já supera os registros somados de 2015 e 2014. De acordo com balanço divulgado pelo CVE (Centro de Vigilância Epidemiológica), do governo estadual, com dados atualizados até 16 de junho, houve 842 casos só no primeiro semestre deste ano. Foram 671 em 2015, e 118 em 2014. É a maior incidência da doença desde 2008, quando o Estado registrou 3.394 casos. A situação também é preocupante na capital paulista: a Secretaria Municipal de Saúde registrou 487 casos até 11 de junho deste ano. Foram 68 casos no mesmo período do ano passado, e 283 casos em todo o ano de 2015. Tanto governo estadual quanto municipal explicam que a notificação não é compulsória e que só casos de surtos (quando mais de uma pessoa contrai a doença no mesmo local) são contabilizados.

Não existe uma explicação clara para o aumento do número de casos, mas não há motivo para alarme, diz o médico infectologista Guido Levi, da Sociedade Brasileira de Imunizações. “Caxumba é uma doença que, em geral, não é mais que desagradável”, afirma. Entre os sintomas estão febre, dor de cabeça, dor muscular e inflamação em glândulas -na maior parte dos casos, na parótida, glândula salivar. Outras glândulas também são suscetíveis, como o pâncreas. VACINAÇÃO Para evitar, deve-se tomar a vacina tríplice viral, que, além da caxumba, protege contra rubéola e sarampo. A primeira dose é dada de rotina em crianças de um ano de idade em postos de saúde. O aumento dos casos pode ser explicado, segundo Levi, pelo fato de poucas pessoas terem tomado uma segunda dose da vacina. A cada cinco anos, o Programa Nacional de Imunização realiza uma campanha nacional de vacinação contra a doença -a última ocorreu em 2014 Fora da campanha, a vacina é encontrada em postos de saúde, mas deve ser tomada com receita médica, após exame de sangue, porque outros vírus, como o parainfluenza, podem causar sintomas similares, explica Fernando Gatte de Menezes, infectologista do hospital Albert Einstein. Além disso, há restrição para gestantes e pessoas com baixa imunidade, como portadores de HIV, porque a vacina contem vírus vivos atenuados -nesses casos, pode acontecer a chamada reversão, quando o vírus consegue provocar a doença. A doença é transmitida por via oral, explica Menezes, e pode passar em caso de tosse ou mesmo de fala. “O ideal é evitar aglomerações. Às vezes a pessoa ao lado tem caxumba e você não sabe”, diz ele, que ainda recomenda manter uma dieta saudável e hidratação adequada. E o tratamento? “Analgésico, anti-inflamatório e muito repouso”, afirma. Os sintomas podem permanecer por sete a nove dias e, na maioria dos casos, o paciente se torna imune à doença.

Fonte: https://bemparana.com.br

Segurança das vacinas

naom_5665659b078c3

O desenvolvimento de uma vacina segue altos padrões de exigência e qualidade em todas as suas fases, o que inclui a pesquisa inicial, os testes em animais e humanos sob rigoroso protocolo de procedimentos éticos, até o processo de avaliação de resultados pelas agências reguladoras governamentais.

No Brasil, o órgão responsável pela avaliação dos resultados de segurança e eficácia de uma vacina e seu registro é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A Anvisa, por meio da Resolução (RDC) n. 55, de 16 de dezembro de 2010, estabelece os requisitos mínimos para o registro de produtos biológicos, entre eles as vacinas. As fases de desenvolvimento exigidas por essa RDC são semelhantes às exigidas pelo Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC). São elas:

Fase exploratória ou laboratorial: Fase inicial ainda restrita aos laboratórios. Momento em que são avaliadas dezenas e até centenas de moléculas para se definir a melhor composição da vacina.
Fase pré-clínica ou não clínica: Após a definição dos melhores componentes para a vacina, são realizados testes em animais para comprovação dos dados obtidos em experimentações in vitro.
Fase clínica: Segundo a Agência de Medicina Europeia (EMA), um estudo ou ensaio clínico é “Qualquer investigação em seres humanos, objetivando descobrir ou verificar os efeitos farmacodinâmicos, farmacológicos, clínicos e/ou outros efeitos de produto(s) e/ou identificar reações adversas ao(s) produto(s) em investigação, com o objetivo de averiguar sua segurança e/ou eficácia”. Esta etapa é dividida em outras três:
Fase 1: É a primeira avaliação do produto e tem como objetivo principal analisar a segurança e se induz alguma resposta imunológica. O grupo de voluntários costuma ser pequeno, de 20 a 80 pessoas — em geral, adultos saudáveis.
Fase 2: Nesse momento, o objetivo é avaliar a eficácia e obter informações mais detalhadas sobre a segurança. O número de pacientes que participa é de algumas centenas.
Fase 3: Aqui, o objetivo é avaliar a eficácia e a segurança no público-alvo, aquele ao qual se destina a vacina, ou seja, se ela realmente protege da doença. O número de voluntários aumenta, chegando a milhares
Fase 4: Após a aprovação pela Anvisa, o laboratório obtém o registro que o autoriza a produzir e distribuir a vacina em todo o território nacional. Como os estudos clínicos são realizados com um número de pessoas inferior ao que receberá a vacina, o laboratório continua acompanhando os resultados, a exemplo do que ocorre com outros medicamentos. O objetivo é monitorar a ocorrência dos eventos adversos.
Essas fases são conduzidas pelo laboratório fabricante e os resultados, quando demonstradas a eficácia e segurança da vacina, passam a integrar um dossiê que é encaminhado para a apreciação da Anvisa.

Esse acompanhamento também é realizado pelo Ministério da Saúde, por meio do Sistema de Vigilância de Eventos Adversos Pós-vacinação (EAPV) do Programa Nacional de Imunizações (PNI). O objetivo é quantificar e qualificar os eventos adversos para não haver dúvidas de que os riscos de complicações graves causadas pelas vacinas são nulos ou muito menores que os oferecidos pelas doenças contra as quais elas oferecem proteção.

Como existem sistemas de vigilância em diversos países, surgiu a necessidade de se estabelecer protocolos e definições uniformizadas, que permitam a comparação dos eventos adversos e outras informações a eles relacionadas. Para suprir esta necessidade, especialistas em segurança de vacinas organizaram o grupo Brighton Collaboration, que atualmente conta com a participação de mais de 3.100 pessoas de 124 países e já concluiu o processo de uniformização da definição de casos de 23 EAPV.

Todo esse cuidado é para garantir que o melhor produto seja disponibilizado à população, possibilitando, assim, a prevenção, o controle e até mesmo a erradicação de doenças, caso das vacinas contra varíola e poliomielite.

fases-desenvolvimento-vacinas

Fonte: familia.sbim.org.br/